Exposição Artista Elsa FariasFoto: Oscar Jupiraci

A artista plástica Elsa Farias traz à Câmara Municipal a exposição “Cor e Sentimento”. A mostra de pinturas naïf colore o Espaço Atrium, na entrada dos gabinetes dos vereadores, até 10 de junho. A visitação é grátis e acontece de segunda à sexta-feira, das 8h às 17h30.

A contadora de histórias, poetisa e escultura nascida em Diadema há 54 anos, viveu décadas em São Bernardo do Campo antes se mudar para Socorro, no interior paulista, onde trabalha como coordenadora do Projeto Guri. Mantido pela Secretaria do Estado de São Paulo, o programa gratuito ensina música para crianças e adolescentes, entre 6 e 18 anos de idade.

O interesse pelo naïf surgiu há 3 anos, ao fazer uma oficina de artes plásticas.  Essa modalidade artística, sinônimo de ingênuo, original ou instintivo, normalmente é produzida de forma autodidata e espontânea, sem seguir métodos acadêmicos. “A arte pode ser livre. Você não mescla a tinta, nem se preocupa se a cor é primária ou secundária. Faço um quadro inteiro com um pincel só, o que não é muito convencional”, explica.

Elsa também emprega materiais alternativos como folhas, galhos e palha. “Tinha, inclusive, uma técnica própria de pontilhado usando esmalte cosmético”, revela.

Depois de ser premiada em suas primeiras exposições, a artista participou da 12ª edição da Bienal Naïfs do Brasil, em Piracicaba, há dois anos. Ela inscreveu duas obras – uma delas recebeu o Prêmio Incentivo.

De lá pra cá, não parou mais. Já expôs em diversas cidades brasileiras e no exterior. Suas produções foram vistas na Colômbia e agora seguem para a Polônia. Um de seus quadros - Congada de São Benedito do Divino Espírito Santo – está no acervo do Museu Internacional de Arte Naïf do Brasil (MIAN), no Rio de Janeiro.

Sobre as telas que podem ser vistas na Câmara, Elsa contou que “cada uma representa uma passagem, uma história, um acontecimento. Segui minha emoção ao selecioná-las”.

Ela declarou que é influenciada por suas experiências pessoais.  “Reproduzo o cotidiano, as lembranças da infância, as festas populares, a religiosidade do povo, a vida na roça. Além da minha família, retrato também algumas figuras do dia-a-dia como o pipoqueiro, o senhor que trabalha na praça empurrando as crianças no carrinho”.

As inspirações têm diversas origens. Elas surgiram em um sonho, caso da pintura de uma santa negra que, coincidentemente, se revelou parecida com a mãe de uma amiga. “Coloquei as simbologias da Igreja Católica, enfeitei com um colar, como um presente para ela”.  Ou vieram da visita de um grupo de crianças do Projeto Guri à Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP). A tela Escolhas mostra o contraste entre o requinte da Estação Júlio Prestes e as mazelas dos moradores de rua, do lado de fora do edifício. Mas “o céu é para todos”, acrescenta Elsa.

 

Exposição Grafite 060616Foto: Oscar Jupiraci

 

Street art: das ruas para as paredes da Câmara

Até o dia 18/6, de segunda à sexta-feira, das 9h às 19h, os visitantes têm a oportunidade de conferir gratuitamente no hall da Casa, a exposição In Absens. Uma tradução do latim para “Na Ausência”, a mostra reflete a falta de apoio dado à arte urbana, um tipo de manifestação artística que, muitas vezes, é confundida com pichação e vandalismo.

O curador Alexandre Truff explica que “a Street Art tem o papel de representar a identidade pública e artística da metrópole por meio da comunicação visual. Além de valorizar essa atividade e evidenciar as questões sociais que a permeiam, é importante dar visibilidade aos artistas que vivem à margem”.

In Absens conta com a colaboração de Truff, Nick Alive, Anjo, Tikka, Feik, Senk, Nem, Foco, Finha, Shock, Xguix e Galo Surreal.

A exposição coletiva marca a comemoração do Dia do Grafite que passou a ser celebrado em São Bernardo do Campo após o projeto de lei 6.441/2015 de 8 de dezembro de 2015, de autoria do vereador Mauro Miaguti.

“Não é de hoje que os artistas da cidade têm nos procurados em busca de mais espaços para expor os seus trabalhos, de um maior incentivo para mostrar as suas criações.  Através do Truff fui apresentado a esse universo e conheci artistas que são empreendedores natos, que vivem de sua obra. Com o objetivo de incentivar a produção artística destes jovens, não só como lazer e cultura, mas também como forma de empreender, que instituímos o Dia do Grafite no calendário do município”, explicou Miaguti.